O futuro do lucro é o propósito

Certamente, alguém já disse que você deve ter um propósito na vida. Que deve traçar objetivos e que existe um propósito para tudo. Mas, afinal de contas, por que você trabalha? Você trabalha para quê? Se não consegue responder a essas perguntas ou parou para pensar, lamento dizer que você não tem propósito, tem apenas sobrevivido. E sair dessa situação depende da sua vontade de mudar, de ter algo a alcançar. Seja no curto, médio ou longo prazo.

Quem trabalha em função da folha de pagamento acaba não fazendo “mais do que sua própria obrigação”. No entanto, aqueles profissionais que trabalham por uma causa sempre vão além de qualquer limite, com dedicação, lealdade e desempenho.

No mundo dinâmico e competitivo no qual vivemos, há um grupo seleto de empresas que já se deu conta do óbvio: não adianta manter o foco apenas na lucratividade. As companhias que realmente estão mudando a atitude, definindo propósitos corporativos tangíveis e garantindo bons salários aos funcionários beneficiam-se cada vez mais. Melhoria nos resultados, maior solidez empresarial, diminuição dos riscos provocados nos períodos de crise ou oscilação drástica do mercado e, principalmente, retenção e desenvolvimento de talentos são alguns desses benefícios.

A fórmula é simples: todas as pessoas desejam fazer algo que tenha um significado maior, que extrapole suas vidas e beneficie um grande número de pessoas. Pessoas felizes trabalham melhor, rendem mais. Todos necessitam de reconhecimento pessoal, afetivo e profissional. Mais do que isso, precisam saber que suas vidas servem a um propósito maior do que simplesmente sair da cama em busca do pão de cada dia. Isso é psicologia básica.

Propósito e felicidade

Nada como terminar o dia sabendo que todas as ações implicam que a empresa ofereça produtos ou serviços que agregam valor efetivo aos seus clientes e que tudo é feito com ética e respeito. E esta prática é mais valiosa do que a busca de resultados a todo custo.

Em alguns casos, estipular objetivos envolve colocar as necessidades de outra pessoa na frente das próprias, o que poderia levar, em curto prazo, a uma diminuição da felicidade. Entretanto, quando se faz isto, gera-se uma contribuição que melhora o ambiente ao redor.

Propósito e felicidade são coisas distintas. Pessoas que vivem uma vida com propósitos desfrutam muito mais da alegria de dar e compartilhar com os outros. Sem dúvida, a busca de propósito, e não de felicidade, faz a vida valer muito a pena. No final, a felicidade e o sucesso são passageiros. Duradouro é criar propósito para a própria vida e para a de outras pessoas.

Etiquetas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *